quarta-feira, 27 de junho de 2012

Agora vou de trem

Este NA TRILHA DO TREM é bem vindo. Acato como desafio, presente de grego, incentivo familiar, partido de Luzia Maninha, Dalila e filhas. Nunca pensei ter um ou ser “blogueiro”. Como dizem,  o homem quando chega aos setenta  entra na era do tenta , vamos tentar. Gozo, ainda, de perfeita saúde e nada como um bom clínico geral para a prova dos nove com adjutório de geriatra, cardiologista, psiquiatra, ortopedista e outras coisitas. No momento a ioga tem resolvido pequenos desarranjos, pois tudo anda bem e ainda não substituíram o cumprimento como vai pelo onde dói.
No Blog teremos verdades e mentiras, diríamos, uma mistura de verdades verdadeiras e ficção.  Esta não passa de uma verdade maquiada.
Chegar aos setenta, ou aos setentinha, no século XXI não é mais vantagem para quem vem do século passado, quando tudo começou, na pequena Luzilândia e no mundo, morrer aos cincoenta  era morrer bem velhinho e demente. Agora a ciência nos segura, com facilidade, até cerca de 100 anos. Havia as exceções, minha avó Carolina faleceu depois dos 100. A mãe do Caetano Veloso, outro setentão, dona Canô, já passou esta barreira. O arquiteto Oscar Niemeyer já está passado dos 104 anos. Que vivam muito mais.
Portanto amigos, parafraseando Zagalo, vocês vão ter que me aguentar.

2 comentários:

  1. Antonio Possidonio Sampaio28 de junho de 2012 06:30

    Valdecirio, espero um lugar no teu trem, a fim de alongar o papo a respeito do confessado ou não expressado,mas subentendido. 0 blog chegou em boa hora, pois ao alimentá-lo, você terá a oportunidade de expressar o que evita na comunicação verbal.Serei, certamente, teu leitor fiel.Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelos seus setentinha com um grande abraço deste lado do Atlântico.
    Votos de que os genes da Avó Carolina e os factores ambientais da Luzilândia possam determinar uma invejável longevidade sem grandes ajudas desses vários clínicos.
    O segredo será fazer como o nosso Manuel de Oliveira e trabalhar todos os dias, até naquele em que completar um século. Tem por isso muito que escrever e partilhar.
    Um beijo do Simão e da Liliana.
    Parabéns
    FábioCamacho

    ResponderExcluir